domingo, 14 de agosto de 2011

Educação Inclusiva

Entrevista com Maurício de Sousa


Dorinha é deficiente visual. Paralaminha anda de cadeiras de rodas e Xaveco é filho de pais separados. Estes são os novos personagens da Turma da Mônica. Em entrevista ao RIO MÍDIA, Mauricio de Souza conta que resolveu criá-los para exercitar a cidadania e o respeito pelo próximo entre seus personagens. “Justamente por entender que se pode educar por meio das histórias em quadrinhos, decidi aumentar a Turma. Os novos integrantes, portadores de deficiência, devem ensinar muita coisa, principalmente na área do relacionamento humano. Já o Xaveco poderá, por exemplo, ser referência para alguma dúvida ou algum tipo de situação mal resolvida por um dos nossos pequenos leitores”, explica.
No processo de criação de suas histórias, Mauricio revela que determinados temas são tratados de forma velada, às vezes, na forma de fábulas, para que a revista não se torne pesada, carregada de cores fortes de realismo. “Esta não é a nossa proposta. Mas não podemos deixar de falar, nem que seja de maneira indireta, dos preconceitos, dos cuidados com o meio ambiente, do respeito aos idosos, dos cuidados com a saúde, etc”.
Para completar a fase de sucesso da Turma da Mônica, agora em outubro, Mauricio anuncia parceria com os Ministérios da Cultura e da Educação para produzir uma série de 60 programas educativos voltados para crianças de 3 a 12 anos. Confira parte da entrevista:
Há algum critério na escolha dos temas das histórias?
Mauricio de Souza - Costumo dizer aos nossos artistas que eles têm que se perguntar se o que estão fazendo ali, escrevendo, desenhando ou planejando um produto de licenciamento, poderá ser usado pelo seu filho. Se a resposta for positiva, temos boa chance de atender, sem problemas, a boa parte do público.
Mas de que forma temas como preconceito, sexualidade, violência, trabalho infantil são abordados?
Mauricio de Souza - Alguns temas são tratados de forma velada, às vezes, na forma de fábulas, para que a revista não se torne pesada, carregada de cores fortes de realismo. Esta não é a proposta de nossas revistas. Mas não podemos deixar de falar, nem que seja de maneira indireta, dos preconceitos, dos cuidados com o meio ambiente, do respeito aos idosos, dos cuidados com a saúde, etc. Mas outros assuntos como violência, trabalho infantil e sexualidade não cabem exatamente na proposta das revistas. Há outros meios de comunicação que tratam deste assunto. Além disso, a criança no seu dia-a-dia, na vida vivida, já tem acesso a estes conteúdos. Esperamos que este acesso esteja sendo monitorado pelos pais, professores ou por pessoas de bem.
A criação dos três novos personagens (Dorinha, Paralaminha e do Xaveco) é fruto deste trabalho de produção? De onde surgiu esta idéia e qual o objetivo de integrá-los à Turma da Mônica? É possível educar por meio das histórias em quadrinhos?
Mauricio de Souza - Justamente por entender que se pode educar por meio das histórias em quadrinhos, resolvi criar personagens portadores de deficiência para exercitar a inclusão no meio dos nossos personagens. Os personagens novos, portadores de deficiência, devem ensinar muita coisa à Turminha. Principalmente na área do relacionamento humano. O personagem filho de pais separados, o Xaveco, poderá, por exemplo, ser referência para alguma dúvida ou algum tipo de situação mal resolvida por um dos nossos pequenos leitores. A Dorinha é uma deficiente visual e o Paralaminha, utiliza cadeira de rodas. Eles serão abordados e tratados como qualquer outro personagem. Não queremos estigmatizá-los.

Fonte: http://www.multirio.rj.gov.br/riomidia/por_entrevista_home_topo.asp id_entrevista=7

Personagens de Inclusão da Turma da Mônica

Dorinha
Ela vai mostrar às crianças como ouvir o som do mundo, sentir seus perfumes e sugerir a inclusão, onde todos se tratam de igual para igual".
Esta foi a declaração de Maurício de Sousa em relação a personagem Dorinha, uma menina que apesar da sua limitação visual é uma criança feliz e com suas capacidade de sentir o mundo através do tato, da audição e do olfato.
Dorinha foi inspirada em Dorina Nowil, uma mulher que perdeu a visão quando ainda era criança, mas enfrentou o problema e hoje é um exemplo de força com sua Fundação Dorina Nowil, que trata de cegos.
Com essa personagem de Maurício é possível trabalhar a inclusão com as crianças, por meio de suas histórias desde a primeira série já que a Turma da Mônica é tão conhecida pelas crianças e proporciona uma leitura prazerosa.
Para completar a turma Maurício de Sousa criou Luca um menino cadeirante que sonha em participar de uma para-olimpíada.

A deficiência retratada em quadrinhos
O menino "Da Roda", personagem com deficiência física, entrou na edição de dezembro (nº 222), na "Turma da Mônica". Detalhes como marcas de pneus no gramado; barras de apoio no banheiro; pia, cesta de basquete e espelho instalados em altura menor que a convencional aparecem nos quadrinhos e são explicados com naturalidade pelo menino, que utiliza cadeira de rodas. Maurício de Souza adota como critério o uso de apelidos para identificar os personagens que compõem a "turminha". Assim, do "Cascão", do "Cebolinha" e do "Franjinha", ninguém conhece o nome. O mesmo critério valeu para o "Da Roda", apresentado dessa forma em função de sua cadeira. É válido destacar que a presença das pessoas com deficiência, sem ressaltar a deficiência e sim suas potencialidades e capacidades, nas revistas em quadrinhos e nas novelas, reforçam muito positivamente a questão da diversidade humana, presente em todos os ambientes, infantis e adultos.
Fã do cantor Herbert Vianna e da banda Paralamas do Sucesso, ele foi apelidadopelos novos amiguinhos de Paralaminha e Da Roda
Chegou às bancas de todo o Brasil no dia 20 de dezembro de 2004, a edição do Gibi da Mônica nº 222, que trouxe uma surpresa para os fãs da Turminha: a estréia do personagem Luca, um garoto cadeirante, amante dos esportes, principalmente de basquete, que foi apelidado carinhosamente pelos novos amiguinhos de “Da Roda” e “Paralaminha”, por ser muito fã do cantor Herbert Vianna e da banda Paralamas do Sucesso.
Segundo Mauricio de Sousa, Luca será responsável por mostrar às outras crianças as possibilidades de uma infância feliz, interativa, independentemente de qualquer deficiência física. “É a inclusão social sendo exercitada também no mundo ficcional dos quadrinhos”, disse o desenhista, que já adianta: “Por ser bonitinho, o Da Roda vai ganhar, de vez em quando, alguns olhares meigos das meninas da Turma”, brinca.

Zé Lelé
Zé Lelé é primo de Chico Bento, e possui uma versão feminina chamada Maria Lalau. Zé Lelé revela-se o menos inteligente da turma. E, assim como Chico Bento, algumas vezes na hora da prova tira nota zero. Não existia nenhuma semelhança física entre ele e Chico Bento.
Zé Lelé recebeu esse apelido porque ele é ingênuo, meio distraído e de inteligência um tanto limitada, o que por vezes irrita bastante todos .

Cebolinha
É um personagem de histórias em quadrinhos e tirinhas, criado em 1960 por Maurício de Sousa. Sempre à procura de um jeito de pegar o coelhinho de sua amiga Mônica, o Sansão. Suas características são:
· Fala trocando o R intervocálico pelo L, problema conhecido como dislalia;
· Tem apenas 5 fios de cabelo. Interessante notar que, ao ser criado, Cebolinha tinha os cabelos espetados e em maior número;
· Está sempre arquitetando planos "infalíveis" para derrotar a Mônica, chamada de "dona da rua", ou em suas próprias palavras, "dona da lua";
· Usa sempre camisa verde, shorts pretos e sapatos marrons;
· Torce para o Palmeiras.

Apesar de marca registrada do personagem, a dislalia o traz inconvenientes muito grandes. Por exemplo, no filme Uma Aventura no Tempo, na cena em que o Astronauta desmaia, a personagem Cabeleira Negra ameaça o transformar em rato através de um aparelho que só poderia ser desativado com as palavras "Cabeleira Negra" sendo pronunciadas corretamente. Todavia, por causa da dislalia pertinente ao Cebolinha, ele não consegue - sendo salvo na undécima hora por seu amigo Cascão.

Humberto
Humberto é uma personagem de HQ de Mauricio de Sousa e pertence à Turma da Mônica.
Ele é o único personagem da turma da Mônica que não fala, mas não é surdo. Só murmura "hum-hum"... uns acham que ele é mudinho, porque ele nasceu com paralisia cerebral. Se comunica com a linguagem de sinais, que é representada por um balão de fala em formado de mão.Quando alguém pergunta algo a ele, sempre entende e sabe responder.

Sugestões de atividades
Utilizando as histórias em quadrinhos você poderá criar várias atividades em sua sala de aula. Veja algumas sugestões:

_Atividade coletiva: produção da seqüência da história. Nomes dos personagens que farão parte, as falas de cada um... o registro escrito do roteiro com o desenvolvimento e o final da historia;
-Atividade individual onde os alunos irão desenhar o quadrinho seguinte da história;

-Observando atentamente o primeiro quadro, escreva em duplas, qual será a seqüência e o final desta história.

-Trabalhando a oralidade, perguntar: Qual o nome do personagem? Por que o autor usou este título? Quais os outros personagens que poderiam participar desta história? Por quê? O que irá acontecer na seqüência? E qual será o final?


Fontes:

http://www.direitosempreconceito.com.br/noticias.php?Id=44
http://www.monica.com.br/mural/luca.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Z%C3%A9_Lel%C3%A9
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cebolinha
http://pt.wikipedia.org/wiki/Humberto_(personagem)

Nenhum comentário:

Postar um comentário