sábado, 15 de outubro de 2011

Roseana Murray

CASA


Retiro o lastro da casa,
suas raízes na terra,
corto as amarras, as cordas,
tudo o que pesa se esvai.


Deixo que a tarde
com seu ar azul,
inunde a casa de luz,
retiro dos quatro cantos
a dor acumulada,
as flores mortas
e então, livre de todo o peso,
o relógio bate apenas
as horas de alegria
e em volta da mesa
todos os que partiram,
os que ficaram,
entrelaçam as mãos.


A casa voa.


In Roseana Murray – Poemas para ler na escola,
Ed. Objetiva, 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário