segunda-feira, 11 de abril de 2011


O MESTRE ENSINA O SONHO

A mediação pedagógica, isto é, a comunicação que promove o conhecimento, encontra-se dentro do mestre e foi construída em seu estado mais puro, a relação é sentida como chave. O mestre é democrático, tem prazer com a palavra e o silêncio, com a reflexão e a intuição. O mestre pulsa. O mestre fala baixo, mas às vezes grita, é meio louco mesmo, e esta loucura que há de saber decifrar-se. O mestre é sereno e semeia a paz. Também o mestre arde, empurra a máquina do mundo e do tempo, revela a face esquecida, expõe raízes e cicatrizes maquiadas. O mestre fala claro.O mestre é inquieto por dentro, quer transformar porque percebe a mudança e seu efeito benéfico. Ele aproxima-se dos outros e os outros dele. O mestre presta atenção em tudo e em todos. Ao mesmo tempo. O mestre ouve o coração.O mestre gosta de ler, ler tudo de todas as formas. Lê com os olhos, mão, pé, boca, nariz, imaginação... O mestre gosta de escrever, plantar, cozinhar, brincar, preparar, regar, cuidar, arrumar, limpar, pintar, amar e muitas outras ações que faz cotidianamente. Ele une o trabalho ao prazer, a ética à estética. O mestre tem utopias, vê o invisível, lembra-se do que não sabe. O mestre é um ser profético. O mestre age. O mestre ensina o sonho. O mestre cuida dos outros, namora a vida e se encanta com sua beleza. O mestre encantado fica rindo, desfrutando um sabor novo.O mestre é aprendiz.
Guilherme Blauth, 2000

Nenhum comentário:

Postar um comentário