sábado, 19 de maio de 2012

Rubem Alves







BULLYING
    "Ela se apresentou: "Meu nome é Cleo Fante..." E com um gesto passou-me seu livro que acabara de ser publicado: Fenômeno Bullying . Estranha a presença de uma palavra inglesa no título. É que não se encontrou uma palavra nossa que diga o que  "bullying" quer dizer. "Bully" é o valentão. Um tipo que, valendo-se do seu tamanho, agride e intimida seus colegas, crianças ou adolescentes mais fracos e que não sabem se defender.. Por vezes, o "bullying" não se expressa por meio de murros e tapas. Comumente ele se vale de zombaria e do ridículo: um grupinho concorda em transformar uma pessoa em motivo de chacota, por meio de apelidos e, com isso, humilha-a  e a exclui do meio social. Uma vítima do "bullying" jamais é convidada para participar das festinhas...
    O "bullying" é diferente das brigas que freqüentemente acontecem entre iguais, provocadas por motivos eventuais. Essas brigas acontecem e acabam. O "bullying" ao contrário, é contínuo, é metódico, persistente, não precisa de razões para acontecer. A vítima, ao se preparar para ir à escola, sabe o que a aguarda. O seu desejo é fugir, mas não pode. E não há nada que possa ser feito para que o "bullying" não aconteça. Informar os professores, só pode agravar a sua situação. Misturado ao medo, cresce o ódio, o desejo de vingança e as fantasias de destruir os agressores.. Essas fantasias um dia, poderão se transformar em realidade."
    "Sadismo é uma monstruosa deformação espiritual. O sádico é uma pessoa que sente prazer ao produzir ou contemplar o sofrimento de um outro, prazer que pode, eventualmente chegar ao ponto do orgasmo."
"Freud nunca entendeu as razões do sadismo. É como se o sádico fosse possuído por um demônio...Invocou o "instinto de morte". Mas isso nada explica. Apenas indica os abismos sinistros da alma humana."
    "O "bullying" é um fenômeno universal. Diariamente milhares de crianças e adolescentes o experimentam, sendo marcados na sua auto-imagem e na aprendizagem. Uma criança apavorada não pode aprender.
    Não conheço nenhuma teoria pedagógica que leve em consideração esse fato como parte do espaço escolar. O que não quer dizer que não exista."
"No entanto, os seus efeitos são mais importantes do que tudo que possa ser ensinado."
    "Sofri pensando no sofrimento das crianças e adolescentes. É preciso que as escolas tomem consciência do "bullying" e incluam nos seus objetivos educacionais, a criação de um espaço de PAZ.
APRENDER A PAZ É MAIS IMPORTANTE QUE PREPARAR PARA O VESTIBULAR.
Um bom começo seria conversar com professores e alunos sobre esse demônio.
Rubem Alves
   
Trechos da  crõnica "Bullying", publicada no jornal  "Correio Popular" em 08/05/05
Campinas - SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário