domingo, 23 de outubro de 2011

Mário Quintana


Achados e perdidos

Eu conduzo minha poesia como um burro-sem-rabo
Nesta minha Porto Alegre de incríveis subidas e descidas.
Suo como o Diabo
E desconfio
Que os meus melhores poemas terão caído pelo caminho...
Mas como saber quais são?!
Alguém por acaso os pegará do chão
E vai ficar pensando que o espantoso achado
Pertence a ele... unicamente a ele!
[Mario Quintana; Velório sem defunto, 1990]

Nenhum comentário:

Postar um comentário